testededrogas.com
historias
historias
historias
Acreditamos que a publicação de histórias reais, brasileiras, podem ser muito elucidativas na decisão de se utilizar o PDT90 (Personal Drug Test 90 days). Por isso, em nosso compromisso com a verdade, disponibilizamos a todos nossos clientes uma senha para que eles possam publicar automaticamente suas experiências e impressões a respeito de sua história e de nossos serviços em nosso site.

frase
O uso freqüente de cocaína pode levar a sérios problemas cognitivos
frase
frase
INDIQUE ESTE SITE
Seu Nome
(preferencialmente completo)
Nome do amigo
e-mail do amigo
frase

frase
ACOMPANHAMENTO DO TESTE
Código ou e-mail do pedido
Para acompanhar o andamento de seu teste, desde o pedido até o resultado, insira o código de seu pedido ou seu e-mail.
Para ver um exemplo da tela de acompanhamento clique aqui
frase


frase

frase


frase

frase


frase

frase
frase
O uso freqüente de cocaína pode levar a sérios problemas cognitivos
frase


Responsabilidade Social
Nossa empresa colabora regularmente no mantenimento das seguintes instituições filantrópicas:

F.A.CE

Recebi um convite de vcs para contar minha historia,mas creio que não vão
querer divulga-la pois,como já sabem perdi a confiança neste teste.Há uns
meses atraz, meu filho confessou ter usado Cocaína,e chocada resolvi fazer o teste para saber se usou tambem outras drogas.Mas para minha surpresa o resultado deu negativo para todas drogas!A explicação que obtive de voces é: ou ele usou pouca quantidade,ou a droga usada era de má qualidade.Pois é, se o meu objetivo seria monitorar meu filho fazendo este exame periodicamente,como confiar?Eu não disse à ele que o resultado deu negativo e sim que deu cocaína de má qualidade.Disse também que em Agosto iríamos fazer outro... ....Estou decepcionada,pois como posso saber se ele continua usando a mesma droga(má qualidade),ou pouca quantidade que seja,se não aparece no exame?Espero que me entendam,e aguardo uma resposta ou outra explicação,se houver,para tentar desfazer a imagem negativa que fiquei desta empresa.

------

Nota da Psychemedics Brasil: Em nosso compromisso com a transparência
absoluta em relação as nossa práticas divulgamos todas as história reais que nos são remetidas, sendo elas elogiosas aos nossos serviços ou não. Apenas não publicamos histórias que verificamos (através da conferência de dados) não serem provenientes dos contratantes de nossos serviços. Com relação ao caso citado temos a dizer o mesmo que informamos a autora do depoimento acima transcrito tão logo ela nos procurou:

Nosso exame não detectou a presença de qualquer droga ou de seus metabolitos acima das nossas margens de segurança "margens de cutoff" logo o laudo foi emitido como negativo para todas as drogas.

Os exames toxicológicos têm uma margem de seguranca, chamada de cutoff, que é a quantidade mínima da droga ou seus metabolitos (derivados após o
processamento do fígado) que devem ser encontrados para que o exame seja
considerado positivo. Essa margem de seguranca são uma exigência ética,
legal e científica a todos os laboratórios toxicológicos e todas as
tecnologias de análise (urina, sangue, suor ou cabelo) pois por se tratar em determinar se o doador é ou não é um consumidor de drogas - determinação esta que pode ter inclusive complicações legais - não podem haver erros sob nenhuma circunstância. Nosso laboratório, assim como outros laboratórios sérios, são extremamente cuidadosos para evitar contaminações das amostras, trocas de materiais, etc.. A Psychemedics se gaba por ser o único laboratório Norte Americano sem nenhum caso de falso positivo nos últimos 20 anos. As margens de segurança são as mais sensíveis possíveis e levam em consideração o tipo de droga e a possibilidade do consumo passivo.

Exemplificando: Se testássemos para nicotina (não realizamos testes de
nicotina, isso trata-se apenas de um exemplo) alguém que convive
ocasionalmente com um fumante de cigarros esse exame - caso não tivesse uma margem de segurança - seria injustamente positivado. Essa correlação é amplamente conhecida pelos casos noticiados pela imprensa de não fumantes que acabam por desenvolver doenças típicas de fumantes pelo convívio com estes.

Por isso é possível - embora bastante remoto - que alguns de nossos
clientes, que afirmam saber que o doador da amostra utilizaram algum tipo de droga (quase sempre maconha), tenham o exame negativado; Porém isso só pode ocorrer nos seguintes casos:

Se a droga em questão for maconha ou seus derivados e foi consumida em
quantidades muito pequenas e de muito má qualidade. A maconha é abertamente e comumente fumada em ambientes fechados - tais como carros de amigos ou shows - onde se encontram muitos não fumantes mas que pelas condições acabam por aspirar fumaça de maconha passivamente. Portanto a maconha é a droga que têm a margem de cutoff mais elevada - em outras palavras a maconha precisa ser consumida um pouco mais para que determinemos o doador daquela amostra como positivo.

Se a droga têm uso duo, ou seja podem ser utilizada licitamente como a
morfina, a codeína e a anfetamina. Nesse caso nosso laboratório analisa o padrão de consumo e as quantidades consumidas em cada secção para determinar se o foi terapêutico ou não. Ou seja, conseguimos diferenciar o consumo terapêutico do com fins de abuso. Caso a droga seja detectada com padrão de abuso o exame é positivado. Nenhum outro laboratório possui tal expertise técnico ou sensibilidade.È importante notar que não incluem-se nesse caso derivados ilícitos de anfetaminas tais como metanfetaminas e ecstasy; Para estas drogas a sensibilidade é máxima sendo detectada mesmo se consumidas uma só vez.

Para todas as outras drogas a sensibilidade é muito grande. A cocaína, por exemplo é detectada mesmo se for consumida uma só vez dentro dos 3 meses de janela de detecção. O ecstasy é detectável em uma só dose, se consumida dentro da janela de detecção. Porém não existe nenhum controle da qualidade das drogas de rua e algumas vezes a qualidade pode ser tão baixa que acaba por não fazendo pouco ou nenhum efeito no usuário e, obviamente, não ultrapassando nossas margens de segurança. É relativamente comum a polícia apreender drogas como cocaína nas ruas com teor de cocaína HCl (cocaína pura) inferior a 3% e com o restante com substâncias como talco, pó de mármore, destrosol (açúcar de milho), etc... Ou seja o usuário está sendo absolutamente lubridiado e o pó branco que está consumindo não trata-se de cocaína.Ou comprimidos de ecstasy que na realidade são 100% cafeína (tanto que existem sites que testam a qualidade dos comprimidos de ecstasy das ruas para alertar usuários quanto sua qualidade; Ver: http://www.ecstasydata.org/). Nossa empresa não tem controle sobre isso.

Portanto se seu exame deu negativo e você tem certeza que o doador fez uso da droga podemos afirmar, com absoluta segurança que: O pó branco que o doador das amostras consumiu era de péssima qualidade e/ou não tratavasse de cocaína e o doador não fez o uso de outras drogas.

Adicionalmente gostaríamos de reafirmar que nossa empresa é a referência
mundial em testes de drogas e que oferecemos o máximo de sensibilidade
possível, chegando a ser 30 vezes mais eficazes do que outras tecnologias de ponta. Nosso expertise tecnológico nos torna fornecedores de quase 70% das grandes empresas que fazem uso de testes de drogas no mundo.

Como sempre nos colocamos a disposição para maiores esclarecimentos.

Atenciosamente,

Psychemedics Brasil






testededrogas.com.br - Psychemedics Brasil - Fone: 3003-1166 (sem o DDD, número nacional)